domingo, 27 de abril de 2014

Panorama dos Espumantes do Hemisfério Sul traz surpresas

> Steven Spurrier conduziu degustação inédita em SP
Como toda a degustação às cegas, o Panorama dos Espumantes do Hemisfério Sul, promovido pelo Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), nesta sexta-feira (25/04), na Fecomércio, em São Paulo, com a condução do renomado crítico britânico Steven Spurrier, trouxe surpresas. Isso porque nas duas categorias de espumantes avaliadas – Tradicional (Champenoise) e Charmat – ocorreu a vitória do Brasil na primeira e, na segunda, a Nova Zelândia ficou no topo. A prova teve amplo domínio do Brasil entre os seis espumantes preferidos nas duas categorias: foram quatro rótulos verde-amarelos e dois da Nova Zelândia, a maior surpresa do evento.

O campeão na categoria espumante Tradicional foi o Miolo Millésime, da Vinícola Miolo. Em segundo, ficou o neozelandês MiruMiru, da Hunter's, e em terceiro o Cave Geisse Blanc de Blancs, da Vinícola Geisse. 

Os 10 espumantes pelo método tradicional que foram degustados: Argentina (Luigi Bosca Brut Nature, Kaiken Brut e Trapiche Brut); Austrália (Angas Brut); Brasil (Miolo Millésime, Casa Valduga 130 e Cave Geisse Blanc de Blanc); Chile (Tarapaca Brut); Nova Zelândia (Hunter's MiruMiru); África do Sul (Krone Brut)
Entre os Charmats, deu zebra, o vencedor foi o Sileni Sparkling Brut, da Sileni Estates, da Nova Zelândia. Em seguida, duas boas novidades igualmente surpreendentes vindas da Serra Gaúcha, mais especificamente de Flores da Cunha. Os espumantes Giacomin Brut (Vinícola Giacomin) e Cordelier Brut (Vinícola Fante) ficaram empatados no segundo lugar. 

Os 11 espumantes pelo método Charmat: Argentina (Norton Extra Brut, Trivento Brut e Altas Cumbres); Brasil (Chandon Brut, Giacomin Brut e Cordelier Brut); Chile (Santa Carolina Brut, Concha y Toro Brut e Santa Helena Premium Brut); Nova Zelândia (Sileni Brut); África do Sul (Nederburg Cuvé Brut)
A escolha dos rótulos preferidos acima, em cada categoria, foi realizada por Spurrier e outros 10 degustadores – Patrício Tápia, Dirceu Vianna Jr., Roberto Rabacchino, Christian Burgos, Horst Kissmann, Marcelo Copello, Mauro Zanus, Diego Arrebola, Eduardo Viotti e, a única mulher, Suzana Barelli.

O painel escancarou o que todo mundo já sabia: o Brasil elabora os melhores espumantes do Hemisfério Sul, anos-luz à frente dos vizinhos Argentina e Chile. A novidade ficou por conta da revelação de duas vinícolas, que agora passarão a ter mais atenção do mercado e do consumidor – a Giacomin e a Fante. Outra descoberta resultante do painel é a boa qualidade dos espumantes da Nova Zelândia, que, sem dúvida, receberão mais consideração no Brasil.

Conhecido mundialmente pelo histórico Julgamento de Paris, realizado em 1976, numa degustação às cegas comparando os vinhos californianos aos melhores exemplares franceses de Bordeaux e Borgonha, Spurrier respondeu assim uma pergunta impertinente: "You should be proud of your sparkling wines. You don't have to drink Champagne in Brazil", ou, em tradução livre, “Você deveria estar orgulhoso de seus vinhos espumantes. Você não tem que beber champanhe no Brasil”. 

Um comentário:

  1. Pena que Estrelas do Brasil não participou! Os espumantes da dupla Irineu/Alexandro são espetaculares e deveriam estar nessa avaliação, mas a Ibravin...
    Flademir/Campinas

    ResponderExcluir